Pesquisar

Se quiser, digite seu e-mail para receber atualizações deste blogue:

Se quiser, digite seu e-mail para receber atualizações:

sexta-feira, 1 de junho de 2012

O Evangelho Segundo o Espiritismo - Capítulo XIX - 8 e 9 - A Fé Transporta Montanhas

Parábola da Figueira que secou

8. Quando saíam de Betânia, Ele teve fome; - e vendo, ao longe, uma figueira, para ela encaminhou-se a fim de ver se acharia alguma coisa: tendo-se, porém, aproximado, só achou folhas, visto não ser tempo de figos.- Então, disse Jesus à figueira: Que ninguém como de ti fruto algum, o que seus discípulos ouviram. No dia seguinte, ao passarem pela figueira, viram que secara até a raiz. - Pedro, lembrando-se do que Jesus havia dito, disse: Mestre, olha como secou a figueira que tu amaldiçoaste: - Jesus, tomando a palavra, lhes disse: Tende fé em Deus. - Digo-vos, em verdade, que aquele que disser a esta montanha: Tira-te daí e lança-te ao mar, mas sem hesitar no seu coração, crente, ao contrário, firmemente, de que tudo que houver dito acontecerá, verá que, com efeito, acontece. (S. Marcos 9:12 a 14; 20 a 23.)

9. A figueira que secou é o símbolo das pessoas que apenas aparentam propensão para o bem, mas que, em realidade, nada produzem de bom: dos oradores, que têm mais brilho do que solidez: suas palavras trazem o verniz superficial, de modo que agradam os ouvidos sem , no entanto revelarem, quando perscrutadas, algo de substancial para os corações; Depois de proferidas, é de perguntar-se que proveito tiraram delas os que as escutaram.

Simboliza também todos aqueles que, tendo meios de ser úteis, não o são; todas as utopias, todos os sistemas vazios, todas as doutrinas sem base sólida. O que falta na maioria das vezes é a verdadeira fé, a fé produtiva, a fé que abala as fibras do coração, numa palavra, a fé que transporta montanhas. São árvores cobertas de folhas, mas carentes de frutos. É por isso que Jesus as condena à esterilidade, porque dia virá em que se acharão secas até a raiz. Significa dizer que todos os sistemas, todas as doutrinas que não houverem produzido nenhum bem para a Humanidade, cairão reduzidas a nada; que todos os homens deliberadamente inúteis, por não terem posto em ação os recursos que traziam consigo, serão tratados como a figueira que secou.

- Um espírito protetor (Paris, 1863)

Nenhum comentário:

Postar um comentário