Pesquisar

Se quiser, digite seu e-mail para receber atualizações deste blogue:

Se quiser, digite seu e-mail para receber atualizações:

sexta-feira, 21 de abril de 2017

O Evangelho Segundo o Espiritismo - Capítulo V - 17 - Bem-aventurados os Aflitos

O suicídio e a loucura



17. O Espiritismo ainda produz, sob esse aspecto, outro resultado igualmente positivo e talvez mais decisivo. Ele nos mostra os próprios suicidas a nos informar sobre a situação infeliz em que se encontram e a provar que ninguém viola impunemente a lei de Deus, que proíbe ao homem abreviar a sua vida. Entre os suicidas, encontramos aqueles cujos sofrimentos, mesmo sendo temporários em vez de eternos, não deixam de ser menos terríveis, levando-os a refletir que não vale a pena sair daqui antes do tempo ordenado por Deus. O espírita tem, assim, vários motivos para contrapor à ideia do suicídio; a certeza de uma vida futura, na qual ele sabe que será tanto mais feliz quanto mais infeliz e mais resignado haja sido na Terra; a certeza de que, abreviando sua vida, chega a um resultado inteiramente oposto ao que esperava: que se liberta de um mal para cair noutro ainda pior, mais longo e mais terrível; que se engana, ao se matar, que vai mais depressa para o céu; que o suicídio é um obstáculo à reunião, no outro mundo, com aqueles que foram objeto de suas afeições e aos quais esperava encontrar (a). A consequência de tudo isso é que o suicídio, só lhe trazendo decepções, é contrário aos seus próprios interesses. Por isso mesmo, é considerável o número dos que têm sido impedidos de suicidar-se, graças ao Espiritismo, sendo justo concluir-se que, quando todos os homens forme espíritas, não haverá mais suicídios conscientes. Comparando-se, pois, os resultadas doutrinas materialistas e espíritas, sob o ponto de vista do suicídio, verificamos que a lógica das primeiras conduz a ele, enquanto a lógica espírita o evita, o que é confirmado pela experiência.

=================
Minha nota:

(a) O espiritismo está repleto de relatos de espíritos que, por via mediúnica, vêm pedir socorro para suas dores e seus sofrimentos. O Capítulo V, na segunda parte do livro "O céu e o inferno", de Allan Kardec, é inteiramente dedicado aos relatos de espíritos que cometeram suicídio. No link "http://orvalhodivino.blogspot.com.br/2017/04/o-ceu-e-o-inferno-segunda-parte.html" encontramos um desses relatos, no qual uma mãe que comete suicídio na esperança de encontrar com o filho que desencarnara antes dela, encontra como consequência, exatamente o oposto do desejado.



Nenhum comentário:

Postar um comentário