Pesquisar

Se quiser, digite seu e-mail para receber atualizações deste blogue:

Se quiser, digite seu e-mail para receber atualizações:

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Endereços de Paz - Capítulo 21 - Proteção

(pelo espírito André Luiz, psicografado por Francisco Cândido Xavier)

Duas horas de fria madrugada num hotel pequeno de rodovia.

O cavaleiro chegou apressado e pediu a chave do aposento em que se instalara durante o dia.

Inexplicavelmente, a chave desaparecera e o interessado se confiou à exasperação.

Gritou. Acusou empregados.

A gerência interferiu com gentileza.

Outro quarto lhe seria entregue. O homem, porém, declarou que deixara junto ao leito grande soma de dinheiro e exigiu que fosse a porta arrombada.

Depois de muita crítica, em que ameaçava a casa com denúncia à polícia, concordou em ocupar um aposento vizinho.

Somente pela manhã, ao sol muito alto, a fechadura foi quebrada. E só então o inconformado hóspede, ao retirar o dinheiro, verificou que sob o travesseiro se ocultava um enorme escorpião.


Nenhum comentário:

Postar um comentário