Pesquisar

Se quiser, digite seu e-mail para receber atualizações deste blogue:

Se quiser, digite seu e-mail para receber atualizações:

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

O Caminho do Discipulado - Capítulo III - A Vida do Discípulo - Trecho

Annie Besant

(1) (...) Já vos falei das provas que se encontram no caminho e é bom que eu vos faça compreender a necessidade destas dificuldades. O homem que se encaminhou pelo noviciado propõe-se a executar, em número limitado de vidas, o que o homem do mundo gastará centenas de existências a cumprir. Ele faz como o homem que, desejando atingir o cimo da montanha, recusa seguir a estrada que lentamente serpenteia em espirais em torno da montanha e diz: "Eu vou subir diretamente até o cimo. Não quero perder meu tempo no caminho batido e sinuoso que é tão longo, embora suave e cômodo, trilhado por milhões de pés. Subirei pelo atalho e apesar de todas as dificuldades escalarei a montanha. Por maiores que sejam os obstáculos chegarei ao cume. Havendo precipícios, rochedos, hei de vencê-los, pois estou resolvido a escalar o cume".

Que resultará disto? Encontrará milhares de dificuldades no caminho, mas o que ganha em tempo é compensado pelo esforço necessário para vencê-las. Quem entra no caminho de chela (2) faz o mesmo que quem escolhe o atalho para subir a montanha, acumulando sobre si todo o seu carma passado para esgotá-lo antes de vencer a iniciação.

Os Senhores do Carma (3) - os dispensadores da Lei Cármica e a quem muitas vezes chamamos de Arquivistas ou Registradores do Carma, Inteligências poderosas cuja grandeza excede nossa compreensão, entidades que conservam as crônicas akáshicas (4) onde se anotam os pensamentos e ações dos homens - estes Seres divinos abrem para cada vida humana uma conta-corrente que se deve saldar antes de transpor o portal da iniciação. E quando se entra no caminho de noviciado ou de prova e se põem os pés nele voluntariamente, este fato só constitui apelo aos Poderosos Senhores do Carma para que possam extrair a conta que deve ser paga. Nestas condições, é de se admirar que o caminho se encontre cheio de dificuldades? A conta cármica que deveria se estender durante centenas de existências deve ser saldada em poucas, talvez em uma só, resultante disto naturalmente a grande dificuldade no percurso do caminho. O homem se encontra no meio de pesares de família, cumulado de dificuldades nos negócios, presa de perturbações físicas e intelectuais.

Como dissemos, necessita o homem muita firmeza para prosseguir no caminho probatório sem desalento e sem retroceder. É como se tudo se levantasse contra ele, e sente-se como abandonado do seu Mestre (5). Por que, quando se esforça no melhor, há de cair sobre ele o pior? por que, quando sua conduta se excede em bondade, então lhe assaltam tantos sofrimentos e atribulações? Parece injusto, duro e cruel que, quando vivem mais nobremente, veja-se mais duramente tratado pelo destino que quando seguia pior conduta. Mas deve vencer a provação e não consentir que o sentimento de injustiça penetre em sua vida interna. Deve dizer: "Eu assim o quis; desafiei o carma, devo, pois, me admirar que seja convidado a pagar?" Ao menos sente alívio ao recordar-se que, uma vez saldada a conta, eta não voltará a perturbá-lo mais. Cada dívida cármica que se satisfaz é riscada para sempre do grande livro da vida. (...)

Notas:
(1) Estas anotações são um trecho do capítulo III do livro "O Caminho do Discipulado", de Annie Besant. Esse livro é a publicação de uma série de conferências públicas ministradas na Índia pela autora. O livro discorre sobre a preparação e o caminho daquele que se propõe a ser um "Discípulo" de um grande Mestre espiritual.

(2) "chela": o nome que se dá, no hinduísmo, ao Discípulo aceito por um grande Mestre espiritual.

(3) Princípio aceito tanto nas religiões orientais, quanto no espiritismo, segundo o qual toda ação provoca uma reação de modo que o Todo Universal permaneça harmônico. É considerada como Lei Divina Imutável. Segundo essa lei, o mal-proceder gera consequências para aquele que assim agiu. Da mesma forma, o bem-proceder.

(4) "Crônicas akáshicas": ou registros akáshicos ou registros acásicos. No induísmo, tudo que acontece, todos os pensamentos, todas as ações, presentes, passados e até futuros ficam registrados em um arquivo imaterial. As crônicas ou registros akáshicos são esses arquivos. Esses registros podem ser consultados e contêm a verdade sem distorções. O Espírito Ramatís por exemplo, refere, entre outras fontes, a consulta aos registros akáshicos, para a construção da obra "O Sublime Peregrino", ditada ao médium Hercílio Maes, onde esclarece temas sobre a vida de Jesus.

(5) Mestre, nesse caso, é a referência ao "Mestre" espiritual de quem o chela, referido acima, é discípulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário